ANO 2 - NÚMERO 24 - JULHO/2009
COMENTÁRIOS E PERSONALIDADES
O Que Jogadores de Poker de Verdade Sentem?
Não deixe o poker dominar sua vida

Por Alan Schoonmaker leia mais matérias deste autor


Meu amigo estava deprimido e furioso. Ele estava em um período de perdas, e sua última sessão foi desastrosa. Por causa de duas bad beats, perdeu vários buy-ins. Ele me perguntou: “Você sabe o que jogadores de poker de verdade sentem?”

“Eu sou um jogador de verdade, então acho que sei”.

“Não, você não sabe. Eu nunca vi você se irritar com o poker. Jogadores de verdade se irritam de vez em quando. Eu sou um jogador de verdade, e o poker é o centro da minha vida. Muitas pessoas sentem o mesmo”.

“Pessoas que têm empregos ou outras maneiras de ocupar o tempo não são jogadores de verdade. Elas podem jogar bem, mas suas cabeças estão em outro lugar. Eu estudo constantemente, converso sobre estratégia e mãos o tempo todo, e faço tudo que posso para dominar o jogo”.

“Quando estou ganhando, fico alegre, sorridente e agradável com as pessoas”. Ele sorriu, quase riu, então continuou.

“Eu consigo aceitar a maioria das perdas. Sei que elas fazem parte do jogo. Mas quando eu perco dia após dia, quando meus draws não batem e minhas mãos não seguram, isso afeta tudo que eu penso e faço. Eu me descontrolo com pequenas coisas”.

Ele descreveu sua reação exage¬rada diante de um incidente trivial e falou: “Eu jamais teria feito isso se não estivesse tão aborrecido por causa dessa fase de perdas”.

Ele balançou a cabeça, dizendo: “Ainda bem que eu sou divorciado. Não sei como profissionais casados conseguem não ser malvados com suas famílias. Deve ser muito difícil para a esposa ou filho de um jogador de verdade. Eles querem atenção, mas, quando estou perdendo, não quero estar perto de ninguém. Isso afasta as mulheres. Quem quer estar do lado de um resmungão?”

“Deve ser mais difícil para as crianças. Eles nunca sabem quando papai vai evitá-las, gritar com elas ou abraçá-las. As esposas talvez se sintam da mesma maneira, mas conseguem lidar melhor. Crianças não entendem. Elas se perguntam: ‘Por que papai está tão bravo comigo? O que eu fiz de errado?’”

Eu perguntei: “Você não está dizendo que todos os jogadores de verdade são homens, está?”

“Não, claro que não. Mas, natural¬mente, eu encaro as coisas sob uma perspectiva masculina. Eu fico feliz por não ter jogado poker pra valer quando minha filha era pequena. Eu poderia ter descontado minhas frustrações nela.”

“O problema tem ficado pior à medida que eu envelheço. Limitações físicas cercearam minha vida. Eu não esquio na neve, não jogo tênis, não faço mais canoagem, não corro 10 qui¬lômetros, não vou atrás de mulher, não bebo ou faço outras coisas que eu cos¬tumava fazer. Eu estou aposentado há 10 anos e não quero voltar a trabalhar. Portanto, o poker é quase tudo que eu tenho para ocupar meu tempo”.

“Acho que ter uma fase ruim é a maior razão por que aqueles bons joga¬dores desistem. Eles ficam tão frustrados que pensar em jogar os deixa doentes.”

Você pode achar que eu estou exagerando, mas meu amigo disse isso e eu reportei com precisão nossa conversa. Se você tiver sentimentos similares, deve aprender a controlá-los e às suas reações.

Eu discordo da definição do meu amigo para jogador de verdade. Meus amigos e eu somos jogadores de ver¬dade. Nós levamos o poker tão a sério quanto ele, mas não temos reações tão emocionais assim. Contudo, jamais me perguntei quem é ou não é um jogador de verdade. Eu me concentrei nas características de vencedores e perde¬dores, e a maioria dos vencedores consistentes não tem reações tão extremas.

Obviamente, não sei como eles se sentem por dentro, mas eles certamente não ficam tão visivelmente irritados. Eu duvido que você consiga ganhar consistentemente se seus resultados tiverem efeitos tão grandes em você. Se ganhar ou perder faz com que seus sentimentos decolem ou mergulhem, você não pode jogar seu melhor, ponto final. Qualquer um que pense que pode dar o melhor de si no feltro quando está muito emotivo está simplesmente negando a realidade. Portanto, você precisa encontrar uma maneira de impedir essas emoções afetem seu jogo de maneira severa.

Reconheça Que Você Não é Único

Todo mundo odeia perder em qualquer coisa, seja tênis ou palitinho. Some isso ao fato de as perdas no poker doerem tanto no seu ego quanto na sua carteira, e a frustração pode ser bastante dolorosa.

Impeça Que Suas Emoções se Tornem Muito Fortes

Quando você fica muito emotivo, geralmente é tarde demais para controlar seus sentimentos ou reações destrutivas. Portanto, identifique seus gatilhos, seja lá o que lhe aborreça ou faça você se sentir muito autoconfiante, depois os evite, especialmente aqueles que mais lhe afetam. Como reações negativas são mais comuns e destrutivas, vou me concentrar em seus três maiores gatilhos:

• Bad beats
• Grandes perdas
• Períodos de perdas

Bad beats: Você já ouviu repetidas vezes que elas são inevitáveis, que você sofre com elas quando joga corretamente e seus oponentes cometem erros e que você, ao final, vai lucrar com os erros deles. Mas essa informação não faz com que as bad beats doam nem um pouco a menos.

Monitore suas emoções, reconheça quando elas estão tão fortes a ponto de ameaçar lhe dominar, então pare de jogar imediatamente. Caso você jogue mais uma mão, uma bad beat ou qualquer outra coisa pode lhe colocar em tilt. Então, você pode transformar uma perda dolorosa em uma desastrosa.

Grandes perdas: Certa vez eu cunhei o termo “bankroll psicológico”. Trata-se da quantia que você pode perder sem ficar irritado a ponto de seu jogo se deteriorar. É sempre muito menos do que seu bankroll financeiro. O meu é bem pequeno. Quando eu ameaço passar do meu limite, eu saio. É automático. Como eu nunca sofro perdas dolorosas, nunca fico muito aborrecido.

Períodos de perdas: Se eu perder várias sessões seguidas, eu não jogo por um tempo, para deixar minhas emoções se recuperarem. Insisto que você faça o mesmo. Sempre haverá outro jogo de poker e, quando você se sentir melhor, vai jogar melhor.

Compare Suas Perdas Recentes ao Quadro Geral

A bad beat ou a grande perda que você acabou de sofrer parece enorme agora, mas o impacto em sua vida pro¬vavelmente é irrelevante. Se você com¬pará-la a todo o dinheiro que ganhou ou perdeu, provavelmente é minúscula. Se você compará-la às coisas realmente importantes, como sua saúde, família e amigos, é ainda menos importante.

Diversifique Sua Vida

Meu amigo tinha parado de fazer as coisas que costumava fazer, e isso tornou o poker importante demais para ele. Por ter se tornado o centro de sua vida, seus resultados deter¬minavam como ele se sentia consigo mesmo e em relação ao mundo.

Diversidade é um princípio funda¬mental de todas as grandes estratégias de investimento. Quando você investe dinheiro, tempo ou emoções, aplique aquele velho ditado: “não coloque todos os seus ovos em uma única cesta”. Se você fizer isso, pode facilmente falir, seja financeiramente, seja emocionalmente.
O poker é um lugar terrível para se investir tudo. Não importa quão bem você jogue, sempre sofrerá bad beats, grandes perdas e períodos de perdas.

Encontre outras maneiras de ocupar seu tempo e seus pensamen¬tos. Escolha coisas não-relacionadas ao poker, como um hobby, trabalho voluntario ou um emprego de meio expediente. Melhor ainda, trabalhe para perder peso, ficar em forma, ou melhorar seus relacionamentos com outras pessoas. Portanto, meu con¬selho mais importante para qualquer um que reaja exageradamente às per¬das ou vitórias no poker é: não deixe o poker dominar sua vida.

 

 

 

Leia mais de "Comentários e Personalidades"

O melhor e o pior da WSOP 2009 - Sérgio Prado
Obrigado, Poker. Saudades do Geraldão - Geraldo Campêlo
Arquétipos de Shorthanded - John Vorhaus
Trinta dias em Las Vegas - Daniel Tevez Cantera

     << VOLTAR AO ÍNDICE

 ESTA EDIÇÃO
Ano 2
n 24

julho2009
(ver capa)

ASSINE JÁ!


ÍNDICE

NESTA EDIÇÃO

ARQUIVO