ANO 1 - NÚMERO 6 - JANEIRO/2008
COMENTÁRIOS E PERSONALIDADES
Vencedores se Preparam a Fundo — Parte I
Desenvolva conhecimento e habilidades, e se prepare para eventos específicos

Por Alan Schoonmaker leia mais matérias deste autor


Muitos jogadores de poker não se preparam a fundo, e alguns deles sequer se preparam. Eles apenas se sentam à mesa e jogam. Jogar é divertido, mas a preparação pode ser um trabalho entediante e que toma tempo.

Como são muito competitivos, os vencedores estão dispostos a trabalhar e o esforço é recompensado. Eles fazem no mínimo quatro tipos de preparação:

• Desenvolvem seu conhecimento e habilidades
• Preparam-se para eventos específicos
• Preparam-se na cardroom
• Preparam-se à mesa
Desenvolva Seu Conhecimento e Habilidades
Muitas pessoas evitam investir tempo e dinheiro em auto-desenvolvimento porque:
• Não gostam de estudar
• Acreditam, de forma arrogante, que são tão talentosos que não precisam estudar
• Alegam que Johnny Moss e muitos outros imortais não liam livros e revistas nem usavam ferramentas tecnológicas de treinamento

Mas eles não têm os dons dos imortais, e a maioria das ferramentas de treino não existiam nos “bons e velhos tempos”. Livros, revistas e ferramentas hi-tech de treinamento são armas poderosas. Nós temos a Card Player, muitos livros excelentes, DVDs, centros de treinamento, técnicos, fóruns de Internet e grupos de discussão. Programas de televisão nos permitem ver as cartas de grandes jogadores e ouvir as análises de comentaristas e jogadores. Ferramentas como a Calculadora de Odds da Card Player, Card Player Analyst, simulações de computador e o software poker tracker, que coleta e analisa informações de maneira que os jogadores antigos nem poderiam imaginar.

Seus oponentes utilizam esses recursos, e permanecem competitivos, então você deve fazer o mesmo. Travar batalhas de poker sem isso é como enfrentar homens armados com arco e flecha. Na verdade, já que eles investiram tempo e dinheiro para dominar tantas ferramentas, os jogadores de hoje sabem muito mais sobre poker do que Johnny Moss, Sailor Roberts, Jack Straus e outros imortais.

As pessoas romantizam os antigos jogadores do poker, do futebol, e assim por diante, mas sempre que analisamos dados objetivos, percebemos que os antigos eram muito inferiores. Não podemos comparar objetivamente os imortais do poker aos atuais jogadores, mas os atletas modernos quebraram virtualmente todos os recordes. Eles correm e nadam mais rápido, pulam mais alto e mais longe, e levantam mais peso. Se os detentores dos recordes de 20 anos atrás competissem nas Olimpíadas recentes sem utilizar ferramentas modernas, ficariam nas últimas colocações.

O progresso é ainda maior em atividades mentais. Os estudantes de física de hoje sabem mais do que Isaac Newton, o maior gênio de sua era. Um adolescente com um computador pode resolver problemas que desconcertavam os gênios.

Dan Harrington já foi um jogador de gamão de classe mundial. Depois de ficar sem jogar durante vários anos, utilizou as novas ferramentas de computador. Ele me disse: “Eu era um jogador inquestionavelmente melhor do que eu era antes, mas não era mais world-class. O jogo tinha avançado muito mais do que eu”. O poker está avançando tão rapidamente quanto. Para permanecer competitivo, é preciso adquirir, estudar e utilizar as mesmas ferramentas que seus oponentes.

Prepare-se Para Eventos Específicos
Além de desenvolver suas habilidades gerais, você deve se preparar para eventos específicos, incluindo jogar em uma nova cardroom ou entrar em um tipo diferente de torneio. Por exemplo, se você não souber as regras de uma sala, pode cometer erros dispendiosos. Se não se preparar para os blinds, payouts e competidores de um torneio, toda sua estratégia pode dar errado.

Algumas pessoas que se qualificam online para o Main Event do World Series of Poker não se preparam nem um pouco. Eu chamei isso de “A Mentalidade da Loteria” (“The Lottery Mentality”, 13 de agosto de 2004, em CardPlayer.com). Apesar de valer milhões de dólares e a imortalidade, eles não se preparam participando de eventos ao vivo, e alguns até seguram suas cartas de modo que outros as vejam.

Vários membros de nosso grupo de discussão se qualificaram para um grande freeroll. Eles discutiram as implicações da quantidade de competidores e da estrutura de blinds e payouts, e planejaram estratégias para essas condições. Vários ganharam dinheiro. Eles fizeram o mesmo antes do WSOP, e, mais uma vez, vários ganharam dinheiro. Para aprender como começar um grupo de discussão, leia minha coluna da Card Player, “Wednesday Poker Discussion Group’s 100th Meeting” (18 de julho de 2003).

Além de aprender regras, estrutura de blinds e outras coisas de uma sala ou torneio, prepare-se para um evento importante dormindo adequadamente e adquirindo a mentalidade certa. Inúmeros jogadores começaram bem, mas viram seus jogos se deteriorar porque não estavam preparados para jogar 12 ou mais horas.

A forma mais profunda e sofisticada de planejamento foi chamada de “jogo de guerra”. Mais de 2.000 anos atrás, Sun-Tzu escreveu seu livro clássico, A Arte da Guerra. Ele lembrou que bons generais utilizam espiões e outros meios para conseguir informações sobre o terreno e os exércitos e generais inimigos, analisam essa informação e então planejam sua estratégia.

Generais modernos geralmente conduzem jogos de guerra (batalhas simuladas) para tentar várias estratégias. Eles fazem com que uma força adversária lute da mesma maneira que o inimigo, vêem quão bem essas estratégias funcionam e fazem os ajustes necessários. O Pentágono geralmente simula batalhas e guerras inteiras em computadores.

Times de futebol americano utilizam um sistema similar. Se os Giants vão jogar contra os Redskins no próximo domingo, seus “olheiros” observam as partidas anteriores dos Redskins, e treinadores e jogadores assistem aos vídeos. Depois, o ataque pratica contra uma unidade de defesa que simula a retaguarda dos Redskins, e a defesa joga contra um ataque simulado.

Linda Johnson fez um jogo de guerra para o Ladies Night, torneio de uma mesa televisionado. Ela pediu a cinco amigos para agir como seus oponentes:

• Jim Leitner seria Kristy Gazes.
• Mylene Leitner seria Pam Brunson.
• Cary Darling seria Melissa Hayden.
• Ed Galvin seria J.J. Liu.
• Jan Fisher seria Mimi Tran.

Eles estudaram fitas dos torneios anteriores dessas jogadoras, pediram a amigos para comentarem a respeito de seu jogo, analisaram suas estratégias, estilos, forças e fraquezas, e agiram da maneira que cada uma jogaria. Suas sessões de prática utilizaram o tempo e a estrutura de blinds do torneio. Linda tentou várias estratégias, e eles analisaram em conjunto os efeitos de cada uma. Antes do início do torneio, ela sabia como devia jogar, e quando e como ajustar sua estratégia.

Sua intensa preparação valeu a pena. Ela ficou em segundo lugar, ganhou uma boa exposição televisiva e poderia ter ganhado facilmente. Mas, quando estava no heads-up contra Kristy, recebeu um par de valetes e trombou com um par de reis. Nenhum planejamento pode superar tamanha desvantagem.

Esses exemplos não provam o valor de qualquer tipo de preparação, mas nós não temos provas sólidas para quase nada no poker. Contudo, a experiência e os registros em competições atléticas certamente sugerem que utilizar as melhores ferramentas de preparação disponíveis pode ajudar imensamente a aumentar sua vantagem, e é isso que interessa no poker.

Minha próxima coluna irá discutir maneiras de se preparar na cardroom e na mesa. Em todo instante, você deve se lembrar do que Nolan Dalla disse a nosso grupo de discussão: “Freqüentemente, a batalha é ganha ou perdida antes de ser travada”.

 

 

 

Leia mais de "Comentários e Personalidades"

Objetivo cumprido: Rumo ao mundial de Poker! - Rafael Caiaffa
O crescimeto do Poker no Brasil - Hugo Mora
Passeando pela meca do Poker e adjacências - Parte II - Leo Bello
Poker Virtuoso - Marco Marcon
Stop Loss e Poker Sobrenatural - Vicenzo Camilotti

     << VOLTAR AO ÍNDICE

 ESTA EDIÇÃO
Ano 1
n 6

janeiro2008
(ver capa)

ASSINE JÁ!


ÍNDICE

NESTA EDIÇÃO

ARQUIVO