ANO 1 - NÚMERO 9 - ABRIL/2008
COMENTÁRIOS E PERSONALIDADES
Vencedores se Preparam a Fundo: Parte IV
Prepare-se para toda e qualquer mão

Por Alan Schoonmaker leia mais matérias deste autor


As três primeiras partes dessa série abordaram os passos preparatórios que se deve dar antes de jogar uma mão:

• Estudar princípios estratégicos
• Preparar-se para eventos ou sessões específicas
• Manter o estado mental propício
• Escolher uma boa mesa e um bom lugar
• Classificar os jogadores e a partida
• Planejar uma estratégia geral
Depois de tantos passos, você pode achar que nenhum outro tipo de preparação é necessário, mas é preciso também se preparar antes de jogar toda e qualquer mão. Isso envolve uma nova dimensão: a pressão do tempo.

Você tem tão pouco tempo para tomar decisões que pode não analisar as informações adequadamente. Mason Malmuth escreveu: “Eu acho que a verdadeira razão por que alguns jogadores sempre se dão melhor do que todo mundo tem a ver com a velocidade do raciocínio [...] aqueles capazes de raciocinar depressa acerca de todas as possibilidades terão uma vantagem significativa sobre aqueles que pensam em ritmo normal” (“Thinking Fast”, Poker Essays, páginas 99-100).

Você não pode acelerar seu raciocínio, mas pode aumentar o tempo disponível para pensar se preparando a fundo antes de a ação chegar até você. Isso se dá em duas ocasiões: antes e depois de ver suas cartas.

Antes de Ver Suas Cartas
Se você for como a maioria das pessoas, possivelmente não faz nada antes de vê-las. Como você não consegue tomar boas decisões sem informações adicionais, fica diante de um dilema. Se usar esse tempo para adquirir tais informações, informa a seus oponentes mais observadores que sua próxima ação não é automática. Eles podem, então, ler suas cartas com maior precisão.

Você também pode se sentir pressionado para falar logo, especialmente jogando online, o que apressa sua análise e faz com que você tome uma decisão ruim.

Vencedores evitam tais problemas obtendo ou relembrando informações essenciais antecipadamente, tais como:

• Qual é minha posição?
• Qual é minha imagem na mesa?
• Quem está nos blinds e como cada um deles joga?
• O que fizeram os jogadores à minha frente?
• Que tipos de jogadores deram call ou raise?
• Qual o tamanho do pote e quantos jogadores o estão disputando?
• Como jogam as pessoas que falam depois de mim?
• Alguém depois de mim indicou que irá dar fold ou raise?

Assim, depois de olhar para as próprias cartas, eles podem rapidamente tomar uma boa decisão sobre como jogar com elas.

Se você duvida da importância desse tipo de preparação, observe os demais jogadores. Quem pergunta: “Eu preciso de quanto para pagar?” ou “Quem aumentou”? Geralmente os perdedores. Vencedores quase nunca perguntam, pois já conhecem as respostas. Se você perguntar ou precisar pensar acerca dessas questões, obviamente não está se preparando como um vencedor.

Depois de Ver Suas Cartas
Vencedores não decidem apenas se vão dar fold, call ou raise. Antes de tomar essa decisão inicial, eles fazem o que David Sklansky, o principal teórico do poker, denomina “raciocínio de xadrez”. Eles planejam como irão jogar antes e depois do flop, do turn e do river. Obviamente, os planos deles dependem das cartas do bordo, da quantidade de jogadores e de seus estilos, entre outros fatores, mas começam a pensar em várias alternativas antes de agir:
• “Se houver um raise antes de mim, eu irei…”
• “Se todos desistirem antes de mim, eu irei…”
• “Se o flop for X, e todo mundo pedir mesa, eu irei...”
• “Se o flop for Y, e Fulano apostar, eu irei…”

Esse tipo de raciocínio pode parecer estranho para você, que pode achar que é muito difícil ou até prejudicial tentar prever o que irá acontecer e desenvolver planos para contingências diversas. E quando chega sua vez de agir você precisa apressar sua análise, basicamente sendo forçado a tomar decisões importantes sem tê-las analisado a fundo.

O planejamento é tão importante que o primeiro parágrafo do livro Professional No-Limit Hold’em, de Flynn, Mehta e Miller afirma: “Se tivéssemos de resumir esse livro em três palavras, [elas] seriam... planeje sua mão”.

Barry Tanenbaum foi além. “Para muitos jogadores, planejar parece ser a última coisa em suas mentes. Planejamento do jogo é um dos temas centrais de meu novo livro, Advanced Limit Hold’em Strategy […] você deve traçar um plano e mantê-lo claro em sua mente, de modo a saber que jogadas fazer e por que as está executando” (“Planning Your Play,” Card Player, Aug. 29, 2007).

Como esses (e outros) autores claramente afirmam, não se pode planejar bem sua mão sem, primeiramente, dar os passos preparatórios que eu já discuti: aprenda odds e estratégias, adquira informações sobre seus oponentes, tenha em mente sua posição e as de seus adversários e assim por diante.

Sem esses conhecimentos, planos não passam de adivinhações. Planejar sua mão (e atualizar seus planos) também requer um acúmulo contínuo de informações, que nunca são suficientes. Por exemplo, embora seja incrivelmente fácil contar o pote à medida que ele é aumentado, talvez você não esteja fazendo isso. Então se pode perder um tempo valioso contando o pote ou tomando decisões sem saber as odds.

Questione-se também sobre suas opções. Tanenbaum listou oito questões na página 34 de seu livro Advanced Limit Hold’em Strategy:
• Eu tenho uma mão pronta, um draw ou nada?
• Com base nas apostas, o que meus oponentes provavelmente têm?
• Eu quero construir o pote ou mantê-lo modesto?
• Eu quero manter meus oponentes ou afastá-los?
• Que tipos de mãos eu posso fingir ter?
• Qual a possibilidade de um blefe?
• Eu tenho ou posso ganhar a liderança de modo que meus oponentes passem a reagir às minhas jogadas?
• Minha abordagem deve ser ativa ou passiva?

O tempo que você gasta contando o pote, tentando decidir que tipos de jogadores está enfrentando e assim por diante deve ser utilizado para perguntar e responder essas (e outras) questões. Por exemplo, você deve analisar o significado das ações dos outros jogadores e prever como eles irão reagir às suas decisões. Se for necessário apressar essa análise, você provavelmente cometerá erros ao adquirir ou avaliar informações e tomar decisões ruins.

Os vencedores automaticamente contam o pote, lembram quem fez cada aposta ou raise e fazem uma análise preliminar acerca do significado das ações de cada jogador. Assim, quando precisam tomar uma decisão chave, possuem informações suficientes. Em vez de simplesmente adivinhar ou reagir a impulsos, eles sabem por que estão desistindo, pagando ou aumentando.

Observações Finais
Preparar-se a fundo não é divertido, mas pode representar a diferença entre ganhar e perder. Você precisa decidir se está jogando por diversão ou por lucro. Se estiver jogando para vencer, deve executar cada passo do planejamento de forma cautelosa.

Depois de quatro colunas, você pode estar cansado de ler sobre toda a preparação que deve ser feita, mas ainda não terminamos. Colunas posteriores irão discutir a preparação para mãos ou sessões futuras.

Para aprender mais sobre você mesmo e sobre outros jogadores, adquira os livros do Dr. Schoonmaker, Seu Pior Inimigo no Poker e Seu Melhor Amigo no Poker, em CardPlayer.com. E, em breve, na Série Obras-Primas do Poker.

 

 

 

Leia mais de "Comentários e Personalidades"

Mensagem aos futuros profissionais: Este é um trabalho como outro qualquer - Rafael Caiaffa
Estudar o jogo vale a pena! - Geraldo Campêlo
Poker ou… uma escolha que não existe - Maridu
WSOP Chegando - Thiago Decano
Vergonha de quê? - Parte I - Vicenzo Camilotti

     << VOLTAR AO ÍNDICE

 ESTA EDIÇÃO
Ano 1
n 9

abril2008
(ver capa)

ASSINE JÁ!


ÍNDICE

NESTA EDIÇÃO

ARQUIVO